E o trono continua vago

Pelé e Dondinho

Em 1953, quando tinha 13 anos de idade, Pelé foi chamado para integrar a equipe juvenil do Bauru Atlético Clube e, no ano seguinte, o menino comandou, com seis rodadas de antecipação, o título da Liga Bauruense da categoria. Waldemar de Brito, ex-jogador e treinador de equipes de base, levou Pelé para um teste no Santos e, no dia 7 de setembro de 1956, ele estreou num amistoso contra o extinto Corinthians de Santo André. Aos 17 anos, foi convocado para defender o Brasil no mundial de 1958, na Suécia, e foi contra o País de Gales, naquele certame, que marcou seu primeiro gol em Copa do Mundo.

Pela Seleção, no total, faria 77 gols, o último deles em 1971, contra a Austrália, um dos dois jogos que marcaram sua despedida do escrete nacional. Mais de 1.200 gols em toda a carreira, sendo que o de número 500 foi contra o São Paulo e ele tinha, então, apenas 21 anos de idade. Quem conheceu Pelé na infância não apostaria muito no seu futuro:

No dia 23 de outubro de 2020, o cidadão Edson Arantes do Nascimento, Pelé, nascido em Três Corações (MG), vai comemorar 80 anos de idade. Todos que gostam de futebol vão ajudar a soprar as velinhas. Como ele, está para surgir outro, por ora nada existe por aí. É preciso ter três títulos mundiais e mais de mil e duzentos gols para começar a ser feita qualquer comparação. Alguém reúne essa estatística?

Avatar

Milton Parron

Milton Parron começou a carreira em 1960 e testemunhou os grandes acontecimentos policiais, esportivos, políticos e culturais em São Paulo e no Brasil. É um dos maiores repórteres da história do rádio brasileiro.

Adicionar comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Milton Parron começou a carreira em 1960 e testemunhou os grandes acontecimentos policiais, esportivos, políticos e culturais em São Paulo e no Brasil. É um dos maiores repórteres da história do rádio brasileiro.

Your Header Sidebar area is currently empty. Hurry up and add some widgets.